O ÚLTIMO PRESO POLÍTICO DA DITADURA JUDICIÁRIA ?

Sr. Abib Miguel é hoje um preso político !

Resultado de imagem para bibinho

A mais  de 6 anos preso o Sr. Abib Miguel ( o bibinho ) é sem dúvida hoje o último preso político , fruto da ditadura judiciária – a pior delas -. O sr. bibinhio náo possui hoje nenhuma condenação , não foram encontradas provas contra suas atitudes como diretor da ALEP, como cidadão ,sempre pagou seus impostos e cumpriu suas obrigações. Vamos tentar entender porque este homem ainda cumpre uma sentença inexistente.

Qualquer idiota de plantão sabe que um diretor  da Assembleia Legislativa não possui o poder de contratar ou mesmo demitir qualquer funcionário , seja ele comissionado ou efetivo, e tão pouco manipular as finanças da casa. Quem tem o poder total é tão somente a Comissão Executiva. Então porque ele foi e ainda está preso ? Um jornal que todos conhecem e que é de costume vender reportagens e manipular a opinião pública ,dirigida por uma seita , juntamente com um desembargador aloprado, também frequentador desta mesma seita, por motivos ainda não descobertos lutam com unhas e dentes para manter  ilegalmente Abib Miguel na cadeia. As suspeitas  deste ódio descabido do “nobre Desembargador” gira em torno de ciúmes,inveja ou mesmo de herança do tempo em que Bibinho trabalhava para o falecido deputado Anibal Curi – este desafeto do desembargador aloprado -.È vergonhoso que o judiciário do Paraná, que já possui a fama de ser o pior do Brasil , ainda carregue esta vergonha de manter na cadeia um preso político em pleno ano de 2016.

Resumindo , o Sr. Abib Miguel não tem nada a declarar , por que já é visto pela perseguição, que ele não cometeu crime algum, e sua prisão é um mistério !

VERGONHA !!!

CASA CIVIL , UM VERDADEIRO CABIDE DE EMPREGO DO SR. ROSSONI

Resultado de imagem para ROSSONI

O sr. rossoni ( nos negamos a escrever em letra maiúscula)  repete na Casa Civil o que costumava fazer muito com seu companheiro plauto na ALEP, um autêntico cabide de emprego comissionado.

Verifique na tabela abaixo que a Casa Civil – que possui mais ou menos umas 7 salas –  tem a vergonhosa lista de 358  empregos comissionados !

Absurdo que este cidadão ainda tenha deputados (  iguais a ele ) que o defendem até hoje.

Document (1)600dpi cópia

ÊTA !!!

Ex-prefeito de Pato Branco recebe 5 multas por irregularidades de pessoal

O Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) deu provimento à tomada de contas extraordinária instaurada no Município de Pato Branco (Sudoeste) para apurar irregularidades apontadas pelos técnicos do órgão de controle. Em razão da decisão, o ex-prefeito Roberto Salvador Viganó (gestões 2005-2008 e 2009-2012) recebeu cinco multas de R$ 1.450,98, totalizando R$ 7.254,90.

O processo foi instaurado pelo TCE-PR em função da constatação de cinco irregularidades no relatório de inspeção realizada pela Coordenadoria de Fiscalização Municipal (Cofim) do Tribunal, antiga DCM. A unidade técnica apontou que houve a contratação de agentes de integração para a intermediação de contratos de estágio sem licitação prévia; estagiários exerciam funções permanentes da administração; serviços permanentes eram pagos por meio de recibo de pagamento autônomo (RPA); houve a continuidade da prestação de serviços de estagiários após o fim do termo de compromisso de estágio; e servidores eram pagos por meio de folha da pagamento e de RPA, simultaneamente.

O município alegou que passou a contratar os estagiários diretamente, sem a intermediação de agentes de integração, e que desligou aqueles que prestavam serviços permanentes após a contratação aprovados em concurso público. Segundo a defesa, a existência de atividades permanentes executadas por estagiários e a contratação de prestadores de serviço pagos por meio de RPA são consequência da anulação de concursos públicos realizados em 2005 e 2006, em razão da necessidade de continuidade do serviço público.

Além disso, a petição do município ressaltou que alguns servidores recebiam por meio da folha de pagamento e de RPA, simultaneamente, porque recebiam verbas do município e do Sistema Único de Saúde (SUS).

A Cofim, responsável pela instrução do processo, destacou que a realização de concurso público para substituição dos servidores e estagiários irregulares não justificam as falhas ocorridas anteriormente. A unidade técnica afirmou que, de acordo com as informações encaminhadas pelo município ao sistema de Informações Municipais-Acompanhamento Mensal (SIM-AM) do TCE-PR, a remuneração dos servidores era realizada apenas pelo Poder Executivo de Pato Branco.

Além disso, a Cofim ressaltou que o município não esclareceu motivação, critérios e forma de contratação de servidores concursados para a prestação de serviços pagos por meio de RPA. Então, opinou pela irregularidade das contas com aplicação de multas ao responsável.

A Diretoria Jurídica (Dijur) do Tribunal concordou com a manifestação da Cofim em todos os pontos. O Ministério Público de Contas (MPC) também opinou pelo provimento da tomada de contas, com aplicação de sanções.

O relator do processo, conselheiro Cláudio Augusto Canha, acatou as manifestações da Cofim e do MPC. Ele ressaltou que a contratação de agentes de integração sem licitação contrariou o estabelecido na Lei nº 8.666/93 (Lei de Licitações e Contratos); e que as demais irregularidades afrontaram a regra do concurso público, disposta no artigo 37, II, da Constituição Federal. Assim, ele aplicou ao responsável, por cinco vezes, a multa prevista no artigo 87, IV, da Lei Complementar nº 113/2005 (Lei Orgânica do TCE-PR).

Os conselheiros acompanharam o seu voto por unanimidade na sessão da Primeira Câmara de 26 de julho. Os prazos para recursos passaram a contar a partir da publicação do acórdão nº 3440/16, na edição nº 1.413 do Diário Eletrônico do TCE-PR, veiculada no dia 2 de agosto.